Aqui, partilho afectos.
E escrevo o que penso, do que gosto, do que me inspira.


quarta-feira, 1 de agosto de 2012


Hoje não é dia para fazer nada do que estou habituada.
Não é dia de perdurar, nem de acalmar as hostes.
Nem de orar. Nem de sair.
Nem de desabafar.
Hoje, não é para me recostar ao sol,
Nem para rasgar a voz,
Nem para bradar aos céus.
Hoje não é para correr, hoje é para parar.
Quieta. Assim. Triste. Pois é.
É dia de ficar, ficar simplesmente
Na imensidão do mundo e pairar.
Hoje é dia de olhar o tempo, adorar o infinito.
E de deixar o coração bater, sòmente...

Pintura de Pino Daeni




6 comentários:

  1. Há dias assim Lita e também é preciso saber respeitá-los. Depois virão os outros dias, diferentes e alegres. Deixe bater o coração...

    ResponderEliminar
  2. Há dias que é o melhor a fazer...Lindo!beijos,chica

    ResponderEliminar
  3. Lita!
    Como me senti aí inteira na sua lindíssima poesia! É como se fizesse parte de um estado de alma onde nada apetece! E sim. Parar! Somente parar,ficar. Quieta. Não apetecer nada...porque dá trabalho apetecer!
    Há dias assim!
    Adorei!
    Grande abarço

    ResponderEliminar
  4. Um dia para "viver" as saudades!

    Belíssimo e melancólico poema.

    Parabéns!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Existem dias que queremos ficar quietos num canto....
    Beijos e muito Sol na sua vida!!!!

    ResponderEliminar
  6. Lita, pois é a segunda, hoje, que se diz triste!

    Levante este astral! Vá ouvir musica, que tudo passa, até a vida! Sacode a poeira, vai desenhar estrelas! Derrame suas lagrimas, mas confie no melhor que está por vir.

    Beijos

    ResponderEliminar