Aqui, partilho afectos.
E escrevo o que penso, do que gosto, do que me inspira.


segunda-feira, 11 de março de 2013

O Café de Flore


O Café de Flore nasceu em Paris no ano de 1887, em de Saint-Germain-des-Prés. O seu nome, foi inspirado na estátua da deusa Flora que então ornamentava o outro lado da rua: 172, Boulevard St. Germain. Pelo Café de Flore passaram e fizeram história um sem-número de artistas e intelectuais.
Em 1913, o poeta Guillaume Apollinaire fez do Flore o seu escritório. Ali, os seus admiradores André Breton, Philipe Soupault e Louis Aragon  conheceram-se e formaram o núcleo francês do Dadaismo, que, após dissidência, em 1918, criaria o Surrealismo. Na década de 1930, o Café de Flore foi frequentado por importantes escritores, pintores, cineastas e actores da época, como George Bataille, Michel Leiris, Albert Camus, Pablo Picasso, Alberto Giacometti, Jean Vilar, Marcel Carné e Jacques Prévert.
Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir começaram a frequentar o Café de Flore em 1939. Nas palavras do filósofo-escritor: "Nós instalámo-nos completamente no Café: das nove da manhã ao meio-dia, trabalhávamos. Saíamos para almoçar e voltávamos às duas, e conversávamos com os amigos que tínhamos encontrado até às oito horas. Depois do jantar, recebíamos as pessoas que tinham marcado encontro. Pode parecer estranho, mas no Flore estávamos em casa."
Durante a ocupação alemã (1940-1944), o Café tornou-se num importante foco da Resistência, onde se reuniam "o bando" de Jacques Prévert, o “grupo” de Marguerite Duras e a "família" de Sartre. A actriz Simone Signoret, nas suas memórias, diz: "Nasci, numa noite de 1941, num banquinho do Café de Flore."
Após a Segunda Guerra, e durante toda a década de 1950, as idéias de Sartre alcançaram uma ressonância sem precedentes, conquistando uma multidão de seguidores. Foram os anos de apogeu do Existencialismo, quando a musa Juliette Gréco e Boris Vian percorriam as "caves" de Paris com alguns dos mais importantes artistas do Jazz americano. O Café de Flore tornou-se desde então, um local de peregrinação.

Pinturas de Miki Karni
 
 

1 comentário:

  1. Obrigada Lita,pelo comentário que deixou em meu espaço.Peço sua licença para lhe seguir!Seu blog é muito lindo e aconchegante.

    Bjs

    Carmen Lúcia-mamymilu.blogspot.com

    ResponderEliminar