Aqui, partilho afectos.
E escrevo o que penso, do que gosto, do que me inspira.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Um dia...


Um dia aparecerá alguém que nos trará leveza. Se não vier com as respostas, virá com a mesma sede de busca por elas. Se não acalmar a nossa tempestade, nos levará a um lugar seguro. Um dia aparecerá alguém que tornará o nosso caminho mais sereno e bonito.

Camila Gomes

Pintura de Rob Hefferan

domingo, 25 de agosto de 2013

Le Château de la Montchevalleraie



É por um caminho ladeado de árvores, que chegamos ao maravilhoso Château de la Montchevalleraie, em Anjou, no Pays de la Loire. Fica situado num parque de 6 hectares, com pomar, uma horta, um jardim com magníficas roseiras, um lago natural, árvores centenárias como plátanos, pinheiros, cedros, e recantos magníficos para repousarmos depois de revigorantes passeios. É uma mansão privada, cheia de beleza e charme, construída em finais do séc. XVIII.





O château de la Montchevalleraie dispõe de alguns quartos para hóspedes, decorados com mobilias e objectos de época. O seu proprietário, Monsieur Christian Boulmant Nomballais, é o anfitrião perfeito, recebendo hóspedes e amigos com generosidade, num ambiente delicado, romântico e de extrema elegância.




Os meus agradecimentos a Monsieur Christian Boulmant de Nomballais.
 



terça-feira, 13 de agosto de 2013

Desejo...


Desejo que o tempo seja feito de sonhos, recheados com esperanças, e delicadamente coberto com amor, como se o tempo fosse um doce, um desejo de infância, um tempo de ser feliz…

Paulo Roberto Gaefke

Pintura de Luís Ribas

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Um dia...


Um dia, quando a ternura for a única regra da manhã, acordarei entre os teus braços. A tua pele será talvez demasiado bela, e a luz compreenderá a impossível compreensão do amor.
Um dia, quando a chuva secar na memória, quando o inverno for tão distante, quando o frio responder devagar com a voz arrastada de um velho, estarei contigo e cantarão pássaros no parapeito da nossa janela. Sim, cantarão pássaros, haverá flores, mas nada disso será culpa minha, porque eu acordarei nos teus braços e não direi nem uma palavra, nem o princípio de uma palavra, para não estragar a perfeição da felicidade.

José Luís Peixoto, in “A criança em ruínas”

Pintura de Garmash