Aqui, partilho afectos.
E escrevo o que penso, do que gosto, do que me inspira.


segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sou assim...


Ainda tenho em mim todos os sonhos do mundo e sei que vou continuar sempre assim.
Tenho vontade de todos os dias fazer uma festa e dar umas boas gargalhadas. Tenho vontade de viajar, ir para Paris, Veneza, Florença, Sevilha… Vontade de tirar um curso de fotografia. Vontade de escrever. Vontade de tanta coisa ainda… Vontade de simplesmente viver.
Tenho vontade de viver cada dia como se fosse o último, à minha maneira, é claro. O que significa, com tranquilidade, e alegria.
A verdade é que há quem não entenda porque sou assim, porque sou tranquila e sempre bem com a vida.
Muitas vezes penso como seria mais fácil não ter esta mania que faço tudo, aguento tudo, lido bem com tudo, ou quase. Esta mania de dar a volta às coisas e arranjar forças, sabe Deus onde, para enfrentar os desafios e as tormentas com um sorriso na cara. Às vezes penso como gostaria de ser como toda a gente, e dizer que não entendo, não percebo, não sei fazer, não consigo, é impossível, que estou cansada, estou doente, hoje não... E ficar igualmente bem “na fotografia”. Confesso que até há alturas, em que me sinto cansada, desanimada, saturada, mas sou uma lutadora, está-me no sangue. E é afinal com orgulho que costumo dizer que herdei isso da minha avó.
Não me interessa se os outros reconhecem, valorizam, admiram. Eu sou assim. Geralmente deito-me com a felicidade na alma e a sensação de que sou uma excelente pessoa, fabulosa até, modéstia à parte. E isso a mim basta-me. Saber que sou assim. E que vou continuar a sonhar com as festas que gostava de dar, com viagens que gostava de fazer, a lugares fantásticos com hotéis fabulosos, com pequenos nadas que me fazem feliz, com finais de tarde a comer um gelado a ver o mar.
Vou continuar a fazer com que cada dia seja diferente e especial, vou continuar a querer ser sempre melhor, vou continuar a dar de mim tudo o que sou e tenho. Sem medos, sem falsidades, sem capas, sem fingimentos. Só sei ser assim e gosto muito de mim assim. 

Pintura de Lois Bender

sexta-feira, 6 de junho de 2014

As Cegonhas do Cabo Sardão


O Cabo Sardão, é  um tesouro natural,  um ponto de visita obrigatório para quem se aproxima do ponto mais ocidental da costa alentejana, entre Almograve e Zambujeira do Mar. Do Cabo Sardão, cujo farol entrou em funcionamento em 1915, abre-se uma janela privilegiada para o mar e suas falésias, onde as cegonhas brancas construíram o seu “reino”, sobre ninhos aparentemente indestrutíveis…